segunda-feira, 28 de julho de 2014

Ser artesão - poesia

Ser artesão - poesia

Essa poesia resume a essência de ser um artesão. Espero que todos gostem.


É arte de criar pensando no alegrar.
É transformar sonhos em verdadeiros contos
É pensar no inusitado sem temer ser rejeitado.
É ver na beleza da vida a inspiração necessária para uma nova criação.
É ter fé na criação e depois ouvir os aplausos da multidão.
É contemplar o esforço sem perder o foco.
É ser diferente perante a sociedade, sem perder a humildade.
É desenvolver o inacreditável, acreditando no impossível.
É profetizar através da arte a essência da sua verdade.
É usar com graciosidade suas ferramentas, manuseado-as com originalidade.
É amar...
Pessoas, paisagens, belezas naturais e a criatividade oriunda da sua personalidade
É sonhar...
O impossível e o belo consolidado em peça única e rara.
É acreditar...
Na virtude humana, na sabedoria divina e na beleza natural, tendo a paz interna sua maior glória.
É prosperar...
Em sentimentos, na felicidade e na vida, visualizando o futuro o seu maior triunfo.
"Ser artesão é amar com a imensidão dos céus o belo, a novidade e o inacreditável através das ferramentas do coração, sempre pensando no alegrar daqueles que admiram a dádiva da vida"
Walber Nunes

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Conceito de Currículo

É tudo aquilo que os alunos devem e precisam adquirir como conhecimento e nosso dever é guiá-lo afim de que os objetivos sejam alcançados, e nos dias atuais o currículo tem que se adaptar às inovações tecnológicas.

Takagi Masakatsu - COIEDA




O artista japonês Takagi Masakatsu utiliza no vídeo COIEDA, formas geométricas simples e as anima, intercalando essas formas com filmagens editadas e trabalhadas em seu computador. Musica e imagem dialogam de forma especial nesse pequeno vídeo.
O vídeo é muito interessante pois possibilita soltar a imaginação com as formas geométricas e assim criar cores e expressões, proporcionando sensações fantásticas.
A  harmonia e evolução das imagens, contracenando com cores e sons musicais nos porporcionam uma profusão de sentimentos e sensações.

Pedro Demo aborda os desafios da linguagem no séc XXI

Após a leitura da entrevista de Pedro Demo com o tema “Os desafios da linguagem do século XXI para a aprendizagem na escola”, refleti sobre os avanços e desafios que a tecnologia nos impõe a cada momento.
Voltar no tempo e repensar nas práticas pedagógicas nos remete a um importante detalhe na educação: o antes e o depois do computador.
Hoje temos a oportunidade de fazermos as mesmas atividades curriculares com as tecnologias, pois elas são cheias de cores, imagens, sons, animações e com a possibilidade de uma interação instantânea.
A nossa atuação docente só passará por mudanças quando despertarmos para esta realidade que praticamente nos obriga a sermos cada vez mais críticos e acompanharmos a evolução tecnológica. Precisamos participar deste mundo globalizado e desencalharmos do processo de ler, escrever e contar (Pedro Demo).
Precisamos acreditar na força e determinação que emanam dos educadores, daqueles que buscam aprender a aprender e aprimorar seus conhecimentos e despertam em nós a vontade de sair do papel de vítimas desse novo tempo e sermos autores de uma história de constantes transformações.
Acontecendo esse processo, estaremos em condições de oferecermos estratégias que possibilitam uma aprendizagem de qualidade.

Escola e tecnologia: uma conversa

Ao ler o texto de Alberto Tornaghi, penso como é difícil pensar de forma global para o futuro das relações entre educação e tecnologia. Uma coisa porém é certa: precisamos falar das multiplas educações, para pessoas muito diferentes, e essas diferenças vão estar ligadas as condições de acesso ao acesso e ao uso das tecnologias cada vez mais avançada.
Me inquieta quando se atribui ao uso das tecnologias como o grande avanço na qualidade de ensino, se ainda é economicamente algo muito caro. É preciso que as tecnologias não sejam vistas apenas como mais um modismo, mas que se reflita sobre o processo de ensino de maneira global.
Acredito sim na possibilidade de novas aprendizagens e na ampliação de formas diferentes de ensinar. Mas, para isso é preciso, que todos os envolvidos estejam conscientes e preparados para a definição de uma nova perspectiva filosófica que contemple uma visão inovadora de escola, utilizando as amplas possibilidades comunicativas e informativas das novas tecnologias para a concretização de um ensino crítico, transformador e de qualidade.

Integração tecnológica, linguagem e representação



a)      Como o professor pode desenvolver uma prática pedagógica integradora, contemplando os conteúdos curriculares, as competências, as habilidades e as diferentes tecnologias possam contribuir efetivamente?
O professor primeiro deve conhecer as tecnologias para que possa utilizá-las.
Toda prática pedagógica que visa integrar todos os alunos, deve ser interdisciplinar, e deve contemplar o pensar, o sentir, o refletir e principalmente o senso comum. E hoje em dia a presença da tecnologia é de uso obrigatório à todos.
b)      Como o professor pode criar uma situação de aprendizagem com o uso de tecnologias significativas para o aluno?
Somente vai ser significativo se abranger o universo do aluno, contemplando seus anseios, sua realidade.

Navegações

Muito bom navegar.
Em minhas viagens pela Wikipédia quase que não voltei tamanha a quantidade de curiosidades que encontrei.
"Jabuticaba" origina-se do termo tupi ïapotï`kaba, que significa "frutas em botão"
"Tatu" é derivado do tupi ta`tu[1], que significa "sem dentes".
"Dasípode" vem do grego "δασύς" (dasys): piloso ou peludo e "πούς, ποδός" (pous, podos): eles tambem são bem fragéis